Este site utiliza cookies que facilitam a navegação. Permitir Cookies? Saiba mais sobre cookies.
O Investimento em Valores Mobiliários

O Investimento em Valores Mobiliários



Atividade de Gestão de Carteiras (Asset Management).

No âmbito da atividade de gestão de carteiras, os clientes devem ter especialmente presente que a definição dos objetivos de investimento associados à gestão das suas carteiras deve ser cuidadosamente ponderada, avaliando as vantagens e desvantagens dos limites da composição das carteiras a definir, a sua adequação à capacidade financeira e à propensão ao risco dos clientes e, bem assim, o risco que às mesmas anda associado decorrente da natureza dos valores mobiliários (ações, obrigações, warrants, certificados, unidades de participação, etc.), da volatilidade dos preços, da liquidez do mercado, da capacidade financeira e da solvabilidade do emitente dos valores mobiliários e do tipo de mercados onde os valores são negociados.

Em especial os clientes devem ter presente que se a suas carteiras puderem envolver técnicas de investimento que pressuponham a utilização de instrumentos financeiros derivados (contratos de futuros e de opções, Forex os forwards, os spot e os CFDs), os mesmos proporcionam um investimento alavancado e, consequentemente, uma pequena variação no preço dos ativos subjacentes pode resultar em ganhos e em perdas significativas.

Adicionalmente, os instrumentos financeiros derivados estão sujeitos aos riscos de liquidez e de mercado, o que pode ocasionar que, em determinadas condições – nomeadamente em situações de maior volatilidade -, não seja possível proceder ao encerramento das posições abertas ou que tal encerramento só seja possível em condições menos favoráveis. Adicionalmente, a Golden Assets informa os clientes que se as suas carteiras puder(em) incluir o investimento em hedge funds, estes utilizam instrumentos financeiros que podem potenciar as perdas do investimento mesmo em situações de crescimento dos mercados, não existindo qualquer garantia para os clientes quanto à preservação do capital sob gestão ou em relação à rendibilidade do seu investimento. No caso concreto dos hedge funds não regulados, o investimento neste tipo de instrumentos está associado a uma menor proteção dos investidores, nomeadamente na falta de supervisão prudencial e de monitorização dos riscos potenciais que, em caso de evolução adversa dos mercados, pode resultar em perdas para os investidores e para os mercados em geral.




Atividade de Consultoria (Financial Advising).

O âmbito da atividade de consultoria, as decisões de investimento pertencem aos clientes. pelo que estes devem ponderar, devidamente, os conselhos e informações prestados pela Golden Assets ou Golden Broker, tendo presentes a sua situação financeira , a sua propensão ao risco e os seus objetivos de investimento.




Atividade de Corretagem (Brokerage)

No âmbito da atividade de corretagem as decisões de investimento em valores mobiliários e outros instrumentos financeiros são tomadas pelos clientes, pelo que estes devem estar conscientes que a Golden Broker não será responsável pelos prejuízos que para si possam resultar da evolução adversa de preços.

Tendo isto presente, os clientes devem ter presente que a tomada de decisão de investimento em valores mobiliários e outros instrumentos financeiros tem consequências diretas no seu património, exigindo, quer um acompanhamento permanente, quer conhecimentos acerca do funcionamento dos mercados e dos valores mobiliários que aí são negociados.

Como tal, antes de decidir investir as suas poupanças em valores mobiliários devem avaliar os seus conhecimentos e a sua disponibilidade de tempo. Se os considerar insuficientes, os investidores devem optar por deixar essa tarefa a cargo de especialistas.

O investimento em valores mobiliários deve ser cuidadosamente pensado, e as respetivas decisões devem ser devidamente ponderadas, avaliando, convenientemente, as vantagens e desvantagens de investir em determinados valores mobiliários. Para o efeito, os clientes devem recolher e analisar toda a informação relevante, nomeadamente a relativa às entidades emitentes, às principais características dos valores mobiliários e aos mercados disponíveis para investir, dando atenção às respetivas vantagens e desvantagens. Antes de tomar qualquer decisão de investimento, os clientes devem definir um objetivo de rendibilidade e um limite de prejuízo para um determinado período de tempo.

A definição de objetivos é importante para procederem à reavaliação periódica do investimento realizado. As opções de investimento deverão ser adequadas à capacidade financeira e à propensão ao risco dos clientes. Os clientes devem ter em atenção que de forma a evitar ficarem expostos à rendibilidade incerta de um único ativo financeiro é aconselhável que apliquem as suas poupanças em diversos ativos financeiros. A diversificação implica um menor risco. Cada investimento comporta um risco que lhe está associado.

Diversificando os seus investimentos os riscos podem compensar-se mutuamente e a carteira ou grupo de instrumentos tende a ter um rendimento menos flutuante. Considerando o modo como se comportam os mercados e os valores mobiliários e instrumentos financeiros que aí são negociados, o investimento deve ser efectuado de forma regular. Haverá momentos em que poderão ser aproveitadas oportunidades e outros em que o mercado não será especialmente atrativo para os investimentos.

O investimento em valores mobiliários pode proporcionar ganhos e perdas, sendo que o risco inerente a tal investimento está ligado a diversos fatores que devem ser devidamente ponderados aquando da tomada de decisão de investir: por exemplo, a natureza dos valores mobiliários (ações, obrigações, warrants, certificados, unidades de participação, etc.), a volatilidade dos respetivos preços, a liquidez do mercado, a capacidade financeira e a solvabilidade do emitente dos valores mobiliários, o tipo de mercados onde os valores são negociados.

Caso pretenda investir em instrumentos financeiros do mercado a prazo ou em instrumentos financeiros derivados – maxime contratos de futuros, de opções, CFD’s e Forex -, deve ter-se presente, na tomada de decisão que os mesmos são construídos sobre outro ativo – o ativo subjacente, que podem ser valores mobiliários, nocionais ou reais – índices, taxas de juro, divisas ou outros ativos –, proporcionam um investimento alavancado – uma vez que o investimento inicial – margens e prémios - é menor do que o valor do instrumento que pretenda negociar - e podem ter uma liquidação meramente financeira ou implicar uma entrega do ativo subjacente caso mantenha posições em aberto na data de vencimento/exercício do contrato. Deve ter-se especialmente em atenção que os riscos associados ao investimento em instrumentos financeiros do mercado a prazo e derivados e as variáveis que influenciam o seu preço, nomeadamente a maturidade, a volatilidade do ativo subjacente, o preço do ativo subjacente em cada momento e, no caso dos contratos de opções, o respetivo preço de exercício, bem como de variáveis macro-económicas tais como as taxas de juro.

Os instrumentos financeiros derivados estão especialmente sujeitos aos riscos de liquidez e de mercado, o que pode ocasionar que, em determinadas condições – nomeadamente em situações de maior volatilidade -, não seja possível proceder ao encerramento das posições abertas ou que tal encerramento só seja possível em condições menos favoráveis, factos esses que aumentam o risco de perdas associadas ao investimento nestes instrumentos. Em suma, os clientes devem estar conscientes que a realização de operações sobre instrumentos financeiros do mercado a prazo e derivados implica um constante acompanhamento e controlo da sua posição e que estes instrumentos comportam um alto risco se não forem geridos corretamente, podendo um benefício converter-se rapidamente numa perda como consequência das variações de preço.

Os clientes devem, ainda, ponderar devidamente a adequação de tais operações e instrumentos à sua situação financeira, ao seu perfil de investimento e à sua propensão ao risco.